A luz que vem de cima

Olá…

É a Neurastênica que vos fala.

Hoje perguntaram quando eu postaria algo novo e acabei por me comprometer a isso. Digo, pra HOJE.

Eu estou constantemente twittando pequenos lampejos que me ocorrem e que repasso ao @Gethbond na esperança de que ele os utilize de alguma forma. Contudo, sei (sabemos) que as ideias não surgem tão simplesmente assim, mas em união com outras e outras e outras. Assim, o que ele não gosta ou que, até o momento, não lhe serviu de nada, vai para uma listinha .txt que fica sempre aberta aqui na tela e de onde tiro os temas para trazer para vocês.

Li e reli essa lista e finalmente me decidi por um dos twitts… que foi…

“e se o sol começasse a agir de diferentes formas sobre as pessoas, tornando-se tóxico pra umas e alérgico para outras?”

Eu diria que esta história seria uma ficção/aventura ou drama, dependendo do ângulo abordado. Pode ser uma aventura dramática fictícia. rs.

Imaginem-se em suas camas, acordando cedo, por volta das 6 da matina. Seu bairro ainda silencioso, talvez por ser mais residencial, longe da barulheira de um centro comercial. Você abre os olhos e vê que o sol mal invadiu seu quarto. Você se levanta e vai ao banheiro quando ouve um grito. Você corre para a janela de seu sobradinho e vê a vizinha sendo consumida por chamas vorazes. Outros que tentam socorrê-la de alguma forma não notam imediatamente, mas algo acontecia com eles também.

O pior já passou e as autoridades estão chegando para apurar o caso enquanto o marido da churrasco começa a reclamar da vista que lhe falha e outro vizinho vê sua pele mudando de cor diante de seus olhos.

A partir daí nota-se um mundo entrando num caos sempre crescente onde as pessoas só se sentem seguras longe da luz solar.

Eu vejo a incerteza do que poderá acontecer àqueles que não se expuseram ao sol. A incerteza daqueles que se expuseram e não sabem se algo está acontecendo com seu corpo ou se acontecerá. O medo daqueles que entram em combustão, mas foram capazes de evitar a morte após ter uma mão ou pé queimado. O sentimento de superioridade, orgulho ou fé daqueles que não sofreram efeitos maléficos, mas foram sim, nutridos ou alterados de alguma forma para melhor.

O que estaria acontecendo com o Sol? Seria ele o causador desses efeitos? Seria a camada de ozônio ou alguma outra camada nova? Foi uma experiência do governo? Alienígenas? Deus? Faz parte de uma seleção natural? Tem a ver com os pecados de cada um? Com a bondade ou índole de cada ser? Por que os animais não são afetados? Ou são?

Que outros efeitos a luz do sol pode ter sobre os seres?

Causa alergia, alimenta, simplesmente arde, esfria em vez de esquentar, cega, causa alucinações (visuais, táteis, sonoras), faz rir, deprime, engorda, emagrece, envelhece, rejuvenesce, mata instantaneamente, muda cor da pele, faz com que se ouça os pensamentos de quem está sobre a luz solar, dá força, dá vigor, deixa invisível, dá fome, cura de doenças, … mas só enquanto estiverem sob a luz do sol. Saiu, volta tudo ao normal… menos quem já mór-réu!

E aí? Isso iluminou suas ideias? Que outros efeitos podem ser atribuídos? Que conjuntos de efeitos podem ser aplicados a diferentes gêneros de histórias? Exemplo, se quero escrever um thriller ou drama, podemos atribuir somente os efeitos mais mortais e, quem sabe, um ou outro que leve as pessoas, apesar de todo o sofrimento, a se exporem à luz na esperança de…

Outro jeito de lidarmos com isso é fazendo com que os efeitos sejam sempre os mesmos em todo mundo, mas a cada X tempo, quando o sol está mais perto ou mais longe do planeta, os efeitos são outros. Podemos dizer que num ano todos riem ao sol. X anos depois, todos são curados de pequenas mazelas. Mais X anos e todos rejuvenescem poucos anos… até que num belo dia, no primeiro em que os efeitos deveriam começar, talvez durante um festival de comemoração desse fenômeno, algo de ruim aconteça. Ou mortes ou doenças ou algo negativo, mas não terminal. (essa foi uma colaboração do @thiagocfm)

好吧! É isso…

Até o próximo post!

Polineusa desligando…

Anúncios

A Fonte – A contra-origem de Polímnia

Olá, pessoas!

Hoje resolvi postar uma triste história que, por não ter passado disso, tornou-se um feliz conto de como “eu” passei a existir.
Confuso?

Antes desse blog ter um nome, C.R.Gondim dentre várias outras opções, chegou a uma idéia que (segundo ele) era muito boa. Eu não acho. :oP

Vamos a ela…

A Fonte de Argabosha

A historieta é sobre uma fonte em um reino perdido no tempo/espaço. Neste reino todos são amaldiçoados e não terem ideias. Sempre que surge uma lacuna em suas vidas, eles recorrem à fonte que lhes joga algo como resposta. No entanto, a Musa que vive na fonte se alimenta de memórias e conhecimentos, que é a base das ideias que dá àqueles que a procuram. Quando a noiva de um fazendeiro fica presa em um buraco, ele recorre à Musa. Ela, por inveja do amor que o fazendeiro sentia por sua futura esposa mas, pede em troca as memórias que ele tem da noiva. Ele se recusa, mas sabe que sem ideias ele não a verá novamente. Então a musa lhe desafia. Ela dará uma ideia que, se ele conseguir usá-la, a Musa liberaria todas as ideias que possui, também devolvendo a capacidade criativa à todos do reino. Se não, todo o conhecimento dele e da noiva seriam seus.

________

Bem, o tcham seria que a Musa da Fonte de Argabosha passaria a se expressar através do blog e tudo mais nele envolveria este reino… A forma de escrever, fotos e etc. Enfim, trabalho demais! LOL!
Anda bem, pois pela queda desta idéia, eu passei a existir.

Até o próximo post!
Polímnia