A Fonte – A contra-origem de Polímnia

Olá, pessoas!

Hoje resolvi postar uma triste história que, por não ter passado disso, tornou-se um feliz conto de como “eu” passei a existir.
Confuso?

Antes desse blog ter um nome, C.R.Gondim dentre várias outras opções, chegou a uma idéia que (segundo ele) era muito boa. Eu não acho. :oP

Vamos a ela…

A Fonte de Argabosha

A historieta é sobre uma fonte em um reino perdido no tempo/espaço. Neste reino todos são amaldiçoados e não terem ideias. Sempre que surge uma lacuna em suas vidas, eles recorrem à fonte que lhes joga algo como resposta. No entanto, a Musa que vive na fonte se alimenta de memórias e conhecimentos, que é a base das ideias que dá àqueles que a procuram. Quando a noiva de um fazendeiro fica presa em um buraco, ele recorre à Musa. Ela, por inveja do amor que o fazendeiro sentia por sua futura esposa mas, pede em troca as memórias que ele tem da noiva. Ele se recusa, mas sabe que sem ideias ele não a verá novamente. Então a musa lhe desafia. Ela dará uma ideia que, se ele conseguir usá-la, a Musa liberaria todas as ideias que possui, também devolvendo a capacidade criativa à todos do reino. Se não, todo o conhecimento dele e da noiva seriam seus.

________

Bem, o tcham seria que a Musa da Fonte de Argabosha passaria a se expressar através do blog e tudo mais nele envolveria este reino… A forma de escrever, fotos e etc. Enfim, trabalho demais! LOL!
Anda bem, pois pela queda desta idéia, eu passei a existir.

Até o próximo post!
Polímnia

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s